Quando se tem um objetivo de longo prazo tão complexo, como completar o Iron Man, é de extrema importância que se dê muita atenção para a preparação e o acompanhamento técnico.

 

Desde quando pratiquei natação de competição, sempre gostei de treinar, mesmo que o tempo na piscina mostra-se monótono e repetitivo, sabia da diferença que contar tantos azulejos me faria no momento da disputa.

 

Na minha primeira prova no triathlon, o All Limits, não fazia ideia do que me esperava e de como me preparar adequadamente. Acostumei-me a pensar que quantidade significaria qualidade, fazendo inúmeras sessões de treino, especialmente as corridas de rua, perdendo todo o gás para o momento mais importante, o dia da prova.

 

Tal entendimento mudou quando comecei a pesquisar mais sobre o esporte e conhecer algumas assessorias esportivas, decidindo por me vincular à SOUTRI.

 

Inicialmente fizemos alguns testes de bicicleta e corrida, bem como filmagem subaquática para análise da técnica de natação. Com isso pronto comecei a receber planilhas de treinamentos direcionados, visando corrigir e superar os meus pontos de melhoria. Hoje tenho menos sessões de treino, porém, com as intensidades corretas, traduzindo-se numa evolução constante e diária.

 

A rotina de um triatleta amador é complicada. Como a maioria dos que aceitam este desafio, preciso encontrar espaço durante uma jornada semanal de trabalho para 12 treinamentos que podem ter duração de até 2 horas. São três treinos para cada um dos esportes principais (natação, ciclismo e corrida), e mais três de musculação, o que me faz acordar todos os dias às 6h00 da manhã para treinar e repetir a carga às 18h00, com exceção de sábados e domingos, quando a rotina é reduzida para apenas uma prática diária.

 

Consequentemente, é necessário abrir mão de muita coisa, pois alguns treinos são longos e precisam ser feitos no sábado ou domingo de manha o que limita qualquer tentativa de vida noturna. Mas todo esforço vale a pena quando se consegue melhorar um minuto, superar as metas impostas, sentir-se melhor ao fim de cada treino.

 

Neste momento estou fazendo as 12 semanas de base para o ano. O planejamento (que explicarei melhor depois) é fazer pelo menos quatro meias-maratonas e algumas provas de triathlon em 2016 para ir me preparando aos poucos.

 

A estrada é longa e difícil, mas vou seguir cada vez mais forte. Simbora!!